Vai revisar o orçamento doméstico? Confira estas 4 dicas

Ao planejar o orçamento doméstico, muitas pessoas costumam ficar tensas, já que essa tarefa é sinônimo de redução de gastos e, até mesmo, brigas entre os familiares. Mas não precisa ser sempre assim. Com alguns truques de educação financeira, é possível conciliar as despesas, encontrando um caminho que seja vantajoso para todos os envolvidos.

Além disso, o orçamento doméstico serve para que cada membro entenda melhor sobre o seu impacto na despesa do lar, aumentando assim a sua consciência e evitando compras desnecessárias. Contudo, há quem não saiba por onde começar e o que analisar durante esse processo.

Se você faz parte desse time, continue acompanhando a leitura. Hoje, apresentaremos 4 dicas de como organizar o seu orçamento doméstico. Confira!

1. Planeje-se a médio e longo prazo

Antes de começar, é preciso ter em mente que você precisará traçar um planejamento em médio e longo prazo. Em um primeiro momento, pode até parecer que a sua vida financeira é estável e livre de imprevistos, mas não há como prever as surpresas que podem surgir ao longo do caminho.

Portanto, uma boa saída é recorrer a métodos que possam garantir uma certa segurança para você — e toda a sua família — em um futuro não muito distante. Esse é o caso do investimento em renda fixa, mais precisamente, no setor de imóveis. Ao adotar essa modalidade, será possível aproveitar o seu orçamento e, ainda assim, preparar um cenário seguro paralelamente.

Os indivíduos que seguem esse caminho, conseguem desfrutar de maior autonomia financeira, aumentando o patrimônio e tendo sempre um bom rendimento para os momentos de incerteza financeira. Pense nisso!

2. Analise a sua situação financeira

Com uma situação mais segura, você já pode começar a revisar o orçamento doméstico. O primeiro passo é identificar a sua renda mensal e despesas cotidianas.

Aqui, o segredo é nunca gastar além do que se recebe no mês. Com esse cálculo simples, porém eficiente, você conseguirá pagar as contas com mais tranquilidade, evitando atrasos e, consequentemente, a cobrança de multas e juros.

3. Eleja as suas prioridades

Mesmo realizando a análise de “quanto ganha / quanto gasta”, há quem encontre dificuldade na hora de guardar um dinheiro no fim do mês. Para não ser um desses indivíduos, considere analisar as suas prioridades de gastos.

Comece incluindo as despesas mais importantes, como a conta de água, energia, aluguel, telefone, prestação do carro e financiamento do imóvel. Depois, chega a vez do supermercado, das despesas de farmácia e da escola das crianças.

Em último lugar, estão os gastos supérfluos — aqueles que não são tão necessários durante a sua rotina. Pode até parecer que eles são incapazes de influenciar no seu orçamento, mas, no fim do mês a diferença será grande. Quais são eles? Veja:

  • o cafezinho na padaria;
  • a sobremesa no fim do jantar;
  • a compra de muitas guloseimas no supermercado;
  • os gastos no bar ou happy hour;
  • os serviços por assinatura que nem sempre são usados pelos seus familiares;
  • os gastos referentes ao salão de beleza etc.

4. Faça a revisão de alguns serviços

Existem momentos em que não conseguimos, simplesmente, eliminar um determinado gasto do nosso orçamento doméstico. Isso acontece, por exemplo, com os serviços de internet e telefone.

Normalmente, muitas das empresas que oferecem esse tipo de produto costumam realizar reajustes em seus preços, fazendo com que os gastos aumentem significativamente em um piscar de olhos.

Porém, para não continuar pagando fortunas, uma boa saída é revisar esses valores. Caso identifique que o preço subiu muito, você pode considerar outro fornecedor com melhor custo-benefício, ou entrar em contato com a própria empresa e solicitar a substituição por um pacote mais modesto. Com essa revisão de alguns gastos, já será possível conquistar uma excelente economia.

Por último, vale lembrar: o orçamento doméstico deve ser sempre revisado antes de importantes tomadas de decisões. Essas ocasiões abrangem a compra de um apartamento, períodos de instabilidade financeira ou, inclusive, quando um dos membros da família tem o seu salário reduzido.

Agora que você já sabe como revisar o orçamento doméstico, aproveite para descobrir os 4 erros que devem ser evitados na hora do financiamento!