• vizinho barulhento

Como lidar com vizinhos barulhentos? Confira 5 dicas

Toda pessoa que já viveu em condomínio, com certeza, teve que lidar com um vizinho barulhento. Desconfortável, esse tipo de situação pode se desenrolar de várias formas, seja por meio de conversas em alto som, seja por brigas ou risadas constantes, músicas no último volume, latidos frequentes de cachorro, reformas intermináveis e em horários indevidos ou qualquer outra atividade capaz de acabar com a paz dos moradores.

Mas, felizmente, existem várias formas de combater o problema. Além de investir no diálogo e utilizar estruturas próprias para abafar o som, como o drywall ou portas especiais, você pode desfrutar da Lei do Silêncio e reivindicar os seus direitos como cidadão brasileiro.

Assim sendo, viemos até aqui compartilhar com os nossos leitores quais são esses truques infalíveis e como colocá-los em prática para desfrutar do seu tão esperado momento de descanso. Para saber mais, acompanhe o post e fique por dentro das recomendações!

1. Tentar dialogar

Não tem jeito. O primeiro passo indicado para quem precisa lidar com um vizinho barulhento é um só — o bom e velho diálogo. Como sabemos, existem várias situações incômodas que podem ser resolvidas com uma simples conversa, sem que você precise partir para métodos mais severos.

Caso esteja passando por uma situação embaraçosa, o ideal é considerar entrar em contato com o outro morador e expor o problema. Muitas vezes, o indivíduo faz barulhos frequentes e, mesmo assim, não tem consciência de que as suas atividades estão perturbando a paz dos demais condôminos.

Essa desatenção vale para inúmeras condições, como para quem anda de salto alto dentro de casa, quem faxina o ambiente em horários indevidos ou, simplesmente, quem tem um animal de estimação e não sabe que ele late ao ficar sozinho. Portanto, muita atenção. Durante esse bate-papo, procure ser gentil e prezar pela empatia, expondo o que lhe desagrada para que todos possam conviver no condomínio em perfeita harmonia.

2. Entrar em contato com o síndico

Se, mesmo após o diálogo, o seu vizinho barulhento não tomar as medidas necessárias para garantir a tranquilidade dos moradores, não se desespere. O próximo passo é comunicar o síndico do condomínio, contando todos os detalhes referentes a questão e deixando que o problema seja resolvido diretamente por ele.

Contudo, é também durante essa etapa que você precisará conhecer a fundo as regras praticadas no empreendimento. Dependendo do regimento interno do prédio, há horários específicos em que o barulho “é liberado” — e as reclamações só serão válidas após esse período.

Em situações mais críticas, a administradora fica encarregada de solucionar a complicação. Já dependendo do ocorrido, também há a possibilidade de acionar um advogado para que as devidas providências legais sejam tomadas.

3. Utilizar portas antirruídos

Tanto as casas quanto os apartamentos podem receber um cuidado especial para driblar os incômodos causados por um morador barulhento. Inclusive, existem várias vantagens ao optar por eles. Uma delas é que, além de se livrar dos ruídos de outro condômino, os seus sons também serão devidamente abafados, evitando problemas com os vizinhos.

Um bom exemplo disso são as portas. Segundo os especialistas no assunto, uma boa solução é investir em um modelo maciço e instalá-lo logo na entrada do imóvel. Assim, será possível contar com um excelente isolamento acústico — muito melhor do que aquele oferecido pelas versões tradicionais.

Fora isso, há a possibilidade de encontrar no mercado algumas borrachas que podem ser acopladas no batente na porta, garantindo que haja ainda menos ruídos externos. Vale experimentar!

4. Trocar janelas e basculantes

Outra possibilidade para driblar a perturbação de um vizinho barulhento é trocar as suas janelas, bem como os basculantes. Tal recomendação deve ser aplicada quando os ruídos vêm de fora do condomínio, como acontece quando temos festas frequentes na rua ou, até mesmo, moramos perto de um bar.

Ao trocar as janelas e substituí-las por modelos antirruídos, conseguimos conquistar um excelente isolamento acústico, acompanhado de uma vedação impecável para o nosso lar. E mais: essa dica também é ótima para pessoas que vivem em vias muito movimentadas e que, diariamente, sofrem com o barulho de automóveis e buzinas.

Entretanto, antes de investir na ideia, é preciso checar se o seu edifício permite a modificação da fachada. Isso porque muitos desses modelos costumam “abrir para fora”, o que pode ser visto com maus olhos por síndicos e administradoras de condomínio.

5. Instalar drywall

Por último, temos mais uma solução que pode render resultados pra lá de satisfatórios — a instalação do drywall. Atualmente, o recurso é indicado para os indivíduos que desejam uma medida em curto prazo e que, inclusive, já tentaram outros caminhos, mas não obtiveram sucesso.

Com o drywall, é possível abafar o choro de crianças, diminuir os ruídos de gritos, música alta e demais barulhos aéreos que comprometam a tranquilidade no interior de seu apartamento. Basicamente, consiste em um material produzido a partir de gesso e que é devidamente preenchido com lã. Moderno e acessível, o recurso pode ser instalado no teto de um imóvel, especialmente, nas situações em que os ruídos vêm do andar de cima.

Quando o incômodo for originário do apartamento localizado ao lado do seu, o recurso também pode ser utilizado. O segredo é fixá-lo na parede da residência, para que haja uma camada extra de isolamento acústico. Além de minimizar o som, a estratégia evita a necessidade de bagunça excessiva, pois você não precisará quebrar a parede para construir uma de drywall no lugar.

Mas não só isso. Há ainda outro ponto positivo da solução — o material pode ser facilmente utilizado em cozinhas, lavabos, lavanderias e ambientes com alto nível de umidade. Neles, será possível acabar com o som causado pelo chuveiro do vizinho, além de descargas ou encanamento.

E então, após essas dicas, você acredita que ficou mais fácil lidar com o seu vizinho barulhento e alcançar a tranquilidade que tanto merece? Esperamos que sim!

Caso ainda esteja com problemas e queira se aprofundar no assunto, aproveite o momento para ler o nosso artigo exclusivo sobre a Lei do Silêncio e quando ela pode ser acionada. É uma leitura rápida e que valerá a pena!