• passo a passo minha casa minha vida

Passo a passo para o Minha Casa Minha Vida: o que você precisa para a sua conquista

Apesar de ser um programa muito popular, muitas pessoas não entendem muito bem o passo a passo do Minha Casa Minha Vida. Afinal, ele está em constante mudança, e várias informações disponíveis online apresentam divergências entre si. Por esse motivo, preparamos um post para que você fique bem atualizado sobre o MCMV e o entenda de forma rápida, clara e resumida.

Ao final, você será capaz de entender termos que são frequentemente usados, como renda bruta familiar, as faixas para financiamento, os requisitos e os documentos necessários. Ficou interessado? Acompanhe nosso passo a passo para o Minha Casa Minha Vida!

Entenda como funciona o programa MCMV

O MCMV é um programa do Governo Federal para facilitar a compra de um imóvel próprio para aquelas famílias que ainda não têm.

Assim, em todos os casos que se enquadram no programa, há o benefício de uma taxa de juros menor do que a praticada pelo mercado. Para as famílias com rendas mais baixas, há ainda um subsídio, ou seja, um desconto no valor do imóvel para reduzir o valor financiado.

Saiba calcular a sua renda familiar

Para garantir que todos tenham acesso a um imóvel de acordo com suas condições, o Minha Casa Minha Vida é organizado em faixas de renda familiar. Quanto menor for a sua, mais benefícios e facilidades serão dadas.

Para saber qual é a faixa que você se enquadra, é preciso analisar a renda familiar bruta de todos os que vão morar no imóvel. Portanto, deve-se calcular a renda individual bruta de todos, isto é, antes do desconto de impostos e taxas. Então, elas devem ser somadas. O valor final será o usado para entender sua faixa.

Entenda qual é a sua faixa no programa

São quatro faixas no MCMV: a 1, a 1,5, a 2 e a 3. Quanto menor ela for, maiores são os benefícios! Entenda mais a seguir.

Faixa 1

Pessoas ou famílias com renda familiar bruta de, no máximo, R$1.800. Nesse caso, as prestações do financiamento podem ter parcelas entre R$80 e R$270 por mês. O prazo máximo para o pagamento é de 10 anos (120 meses), mas o valor do imóvel tem o limite de R$98.000. A taxa do financiamento é de 5% ao ano.

Além disso, nessa faixa, pessoas com o CPF negativado nas instituições de análise de crédito (o famoso “nome sujo”) podem participar do financiamento. O cadastro, por sua vez, não é feito no banco, mas na prefeitura municipal.

Faixa 1,5

É voltado às pessoas com renda de, no máximo, R$ 2.600 mensais. O prazo máximo de financiamento é de 30 anos. De acordo com a renda, é possível conquistar um subsídio variável de até R$47.500. A taxa de juros para esse financiamento varia entre 5,5% e 7% ao ano. O cadastro é feito na Caixa Econômica Federal.

Faixa 2

A renda máxima dessa faixa é de R$4.000 por mês. O subsídio pode chegar a R$29.000 para a compra do imóvel de acordo com a análise da renda familiar. Já a taxa de juros fica em até 7% ao ano. O cadastro é feito na Caixa Econômica Federal.

Faixa 3

Por fim, a faixa mais alta é para pessoas com renda mensal de até R$7.000. O imóvel financiado deve ter um valor de no máximo R$225.000. Entretanto, não ganham nenhum subsídio, sendo o principal benefício uma taxa de juros acessível de 8,16% e 9,16% ao ano.

Junte os documentos necessários

No caso da faixa 1, é preciso ir à prefeitura para fazer o cadastro. Nas demais, é possível realizar o processo diretamente com a construtora. São necessários os seguintes documentos:

  • Registro Geral (RG);
  • Cadastro de Pessoa Física (CPF);
  • Carteira de Identificação Profissional (caso se aplique);
  • Carteira de Habilitação (se houver);
  • Carteira de Trabalho (CTPS);
  • comprovante de renda dos seis últimos meses;
  • comprovante de residência;
  • Certidão de Nascimento (se for solteiro);
  • Certidão de Casamento (averbada, no caso de pessoas divorciadas);
  • Declaração do Imposto de Renda ou de Isento.

Após realizar seu cadastro no programa, é só aguardar a análise e seleção. No momento seguinte, outros documentos serão pedidos, como extrato do FGTS, ficha de cadastro, comprovante de despesas e Cadastro Habitacional. Seguindo esse passo a passo do Minha Casa Minha vida, você estará mais perto de realizar o sonho da casa própria. Portanto, não perca essa oportunidade e invista no seu futuro.

Quer saber mais sobre como garantir o sucesso nessa conquista? Então, confira nosso Guia Completo do Minha Casa Minha Vida!